Marília em Destak

[Carregando o Sistema]
Teatro Municipal sedia festival inédito ‘Nova Cena 2016’

Teatro Municipal sedia festival inédito ‘Nova Cena 2016’

Por: Roseli

Novo e moderno, o Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello” vai sediar, de 7 a 11 de setembro de 2016, a primeira edição do Festival “Nova Cena”, em comemoração ao retorno do espaço cênico de Marília. Evento é organizado pela Prefeitura Municipal, através da Secretaria Municipal de Cultura, em parceria com a companhia teatral mariliense “Quasilá”, programa Tauste Ação Social e escola Diretriz Educacional.

Para a secretária municipal de Cultura, Tais Monteiro, é um privilégio receber companhias regionais na estrutura do Teatro Municipal recém-inaugurado. “Estamos apoiando o evento, que tem uma programação cheia de atrações e com entrada gratuita, sem custo nenhum para o público acompanhar. Agradeço a todos os grupos por terem aceitado participar como parceiros”, destaca.

Segundo o organizador do festival e diretor do Teatro “Quasilá”, Gustavo César, o evento será de caráter competitivo para grupos convidados da região e de intuito participativo para companhias marilienses. “Não houve seleção para a escolha dos grupos participantes. Todos foram convidados, com ajuda da comissão organizadora do Festaett (Festival de Teatro da Estância Turística de Tupã). Como a maioria dos jurados reside em Marília, achei ético não colocar os grupos locais na concorrência por troféus e premiação em dinheiro. Os artistas marilienses concordaram”, disse.

Entre as atrações, o grupo Super Adelaide, com a peça “Plano nº 269”, que participou no último dia 27 de agosto do Filo 2016 (Festival Internacional de Teatro de Londrina), está confirmado na programação. Apresentação será no dia 10 de setembro, às 19h. Coletivos, como Tuia das Traia, com “Espectro”, de Marília; Cia Teatro de Coroas, com “Os Dois Cumpadi”, de Valparaíso; Fênix, com “Hades”, de Tupã; Cia de Dentro de Casa, com “#DesligaAí”, de Lins; Elam (Escola Livre de Artes de Marília), com “A Farsa do Boi”, de Marília; Fetalpa (Federação de Teatro da Alta Paulista), com número de palhaços, de Marília; Grupo Urbanóides, com “Desmontagem Urbana”, de Londrina; Ágape, com “A Megera Domada”, de Tupã; Grupo Flor da Rua, de Marília; Grupo Pó Pa Tapá Taio, com “Histórias das Malocas”, de Avaré, e apresentação musical de Juliana Máximo, do Teatro Quasilá, de Marília, compõem o “Nova Cena” 2016.

Os artistas Calu Monteiro, Márcio Martins, João Moraes e Gustavo César serão os jurados do festival. No saguão “Ramis Pedro”, na entrada do Teatro Municipal, haverá uma exposição fotográfica de Eduardo Dantas durante os dias de evento. Dantas apresenta, em imagens, registros de apresentações teatrais em festivais pela região.

Mais informações sobre a programação podem ser obtidas pelo telefone (14) 3402-6600, da Secretaria de Cultura. 

 PROGRAMAÇÃO COMPLETA

SETEMBRO DE 2016

Dia 07 (FERIADO)

16h00 – Tuia das Traia, com “Espectro” (Marília-SP);

19h00 – Cia Teatro de Coroas, com “Os Dois Cumpadi” (Valparaíso-SP);

21h30 – Grupo Fênix, com “Hades” (Tupã-SP);

 DIA 08 (QUINTA-FEIRA)

21h00 – Cia de Dentro de Casa, com “#DesligaAí” (Lins-SP);

 DIA 09 (SEXTA-FEIRA)

20h00 – Elam (Escola Livre de Artes de Marília), com “A Farsa do Boi”, e participação especial de Fetalpa (Marília-SP);

 DIA 10 (SÁBADO)

17h30 – Grupo Urbanóides, com “Desmontagem Urbana” (Londrina-PR);

19h00 – Super Adelaide, com “Plano nº 269” (Londrina-PR);

21h30 – Grupo Ágape, com “A Megera Domada” (Tupã-SP);

 DIA 11 (DOMINGO)

18h30 – Intervenção externa do Grupo Flor da Rua (Marília-SP);

 19h30 – Grupo Pó Pa Tapá Taio, com “Histórias das Malocas” (Avaré-SP);

21h30 – Encerramento com apresentação musical de Juliana Máximo, do Teatro Quasilá, e cerimônia de premiação.

 SINOPSES

 Super Adelaide, com “Plano nº 269” (Londrina-PR)

“Plano nº 269” é um espetáculo-plano para salvar os animais de um zoológico abandonado, onde os animais presos nas jaulas são o público, ou ainda a própria palhaça. A dramaturgia do espetáculo se dá por um roteiro, poucas palavras e muito improviso. Em cena a palhaça, que tem suas origens no bufão, figura que é provocadora, satírica, grotesca e política, não se limita a fazer o público rir, mas desenvolve um pensamento crítico acerca de injustiças, ou de algo a ser mudado.

 Cia Teatro de Coroas, com “Os Dois Cumpadi” (Valparaíso-SP)

Uma comédia, que resgata a cultura popular, especificamente o modo de vida caipira, muito forte e determinante em muitas regiões do Brasil. A história se inicia com crianças brincando em um quintal, e durante essa brincadeira acham um livro e resolvem contar uma das histórias, que narra as desavenças entre uma família pobre, (cumpadi pobre, sua mulher e filha) e seu empregador, o cumpadi rico que explora a família pobre abusando de sua ingenuidade.

 Grupo Ágape, com “A Megera Domada” (Tupã-SP)

Tendo como base o texto original de Willian Shakespeare, o Grupo Ágape de Teatro apresenta uma parte de sua versão de “A Megera Domada” focando especificamente a história de Catarina, uma jovem que é obrigada a se casar com um grosseiro e divertido jovem chamado Petruquio, que tenta domar a dita megera.

 Grupo Fênix, com “Hades” (Tupã-SP)

Em meio à penumbra um som oco, agudo e contínuo, que lembra os lamentos de almas penadas, dá o clima de expectativa e alguma tensão. O porvir sempre é excitante, assustador, embora esperançoso. Somos humanos com nossas limitações, nossos exageros, nossos medos, nossas invejas e todas as nossas demais fraquezas refletidas em Radamanto, o sábio, Minos, o justo, e Éaco, o piedoso. Extraindo sentido do que aparentemente não possui sentido algum, o espetáculo vem para subverter a ordem. Aliás, prova que, atualmente, o Tártaro está na superfície.

 Cia de Dentro de Casa, com “#DesligaAí” (Lins-SP)

O espetáculo “#DesligaAí” conta a história de um adolescente que vê a vida passar diante a uma televisão e do celular e, por eles, descobre o mundo, seus sentimentos e suas emoções. Convidamos você para participar dessa aventura e junto conosco refletir sobre a aquela velha pergunta “O que você vai ser quando Crescer?”.

 Pó Pa Tapá Taio, com “Histórias das Malocas” (Avaré-SP)

O espetáculo “Histórias das Malocas” remonta, de uma maneira trágico-cômica, as histórias de pessoas humildes contadas na programação radiofônica de uma emissora clandestina instalada em alguma maloca da cidade de São Paulo. Os quadros apresentados durante a transmissão referem-se a vida cotidiana dos moradores das favelas, dos morros, dos desabrigados, usando como principal elemento contador as músicas de Adoniran Barbosa.

 Grupo Urbanóides, com “Desmontagem Urbana” (Londrina-PR)

Em meio a tanta adversidade, ameaças políticas, burocracias excessivas, desafios profissionais e pessoais, figuras se destacam do cotidiano provocando-nos um repensar das condições humanas.

Galeria de Imagens

COMPARTILHAR

Comente, Compartilhe e Interaja em sua rede social


Postado por: Roseli Bernardo

Fotógrafa, blogueira, colunista e empresária.
Trabalha na internet com a administração de sites e redes sociais da área da Psicologia, entretenimento, Literatura, etc... É idealizadora e responsável por toda linha editorial do Marília em Destak.

comentários